• Bruno Ferraz

Podemos usar betabloqueadores na gestação?


Sobre o uso de betabloqueadores na gravidez, podemos afirmar, exceto:

A) A gravidez promove um aumento espontâneo da frequência cardíaca

B) Grávidas tem maior propensão à taquiarritmias

C) O betabloqueador aumenta o risco de malformações cardíacas no primeiro trimestre

D) Hipertensão arterial, isoladamente, aumenta o risco de malformações

A gravidez, por si só, aumenta o volume sanguíneo circulante, gerando um aumento natural da frequência cardíaca em torno de 10bpm. O estado hiperdinâmico, assim como alterações hormonais, aumentam o risco de taquiarritmias em gestantes, podendo ser necessário o uso de betabloqueadores. Os betabloqueadores são drogas muito utilizadas na cardiologia, especialmente em pacientes com insuficiência cardíaca, doença coronariana, taquiarritmias e hipertensão arterial.

No final de novembro, a Annals of Internal Medicine publicou o artigo "β-Blocker Use in Pregnancy and the Risk for Congenital Malformations: An International Cohort Study" (Uso do betabloqueador na gravidez e o risco de malformações congênitas: uma coorte internacional). Foram analisados dados e registros de 5 países nórdicos e do Medicaid americano em pacientes grávidas com o diagnóstico de hipertensão que foram expostas ao betabloqueador no primeiro trimestre. Mais de 2500 pacientes usaram betabloqueadores no primeiro trimestre. Mesmo após ajuste para potenciais confundidores, o betabloqueador não esteve associado à maior risco de malformações graves, malformações cardíacas ou do sistema nervoso central nem à lábio leporino. A análise foi restrita aos nascidos vivos.

Dessa forma, esse estudo reafirma a segurança do uso de betabloqueadores no primeiro trimestre quanto à malformações, sendo medicamento de primeira linha no tratamento de hipertensão em gestantes. Estudos prévios já demonstravam esta segurança quando ajustados para hipertensão (confundidor), já que a hipertensão, isoladamente, aumenta o risco de malformações (dessa forma, os estudos que não ajustavam para fatores confundidores acreditavam que o betabloqueador aumentava o risco de malformações quando, na verdade, era a hipertensão que aumentava). A droga mais indicada para o tratamento da hipertensão é o labetalol (não disponível no Brasil). Já o metoprolol é a droga de escolha especialmente na insuficiência cardíaca e taquiarritmias. Não se esqueça que os betabloqueadores podem estar associados à crescimento uterino restrito. Sempre consultar o obstetra antes de iniciar o betabloqueador!

A resposta da questão é letra C (O betabloqueador aumenta o risco de malformações cardíacas no primeiro trimestre).


Comentários por:


BRUNO FERRAZ DE OLIVEIRA GOMES

Médico rotina do Unidade Cardiointensiva do Hospital Barra D'Or

Ecocardiografista do Hospital Barra D'Or

Professor Substituto em Cardiologia - UFRJ

Diretor Científico do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ

Intensivista no Hospital Federal Cardoso Fontes

Mestrando em Engenharia Biomédica na COPPE/UFRJ

Título de especialista em cardiologia, terapia intensiva e ecocardiografia

www.drbrunoferraz.com.br

Referências:

1. Bateman, B. T., Heide-Jørgensen, U., Einarsdóttir, K., Engeland, A., Furu, K., Gissler, M., … Zoega, H. (2018). β-Blocker Use in Pregnancy and the Risk for Congenital Malformations. Annals of Internal Medicine. doi:10.7326/m18-0338

2. Tachyarrhythmias and Pregnancy. An article from the e-journal of the ESC Council for Cardiology Practice. Vol. 9, N° 31 - 20 May 2011

#betabloqueador #gravidez #malformações