• Bruno Ferraz

Caso ECG 2: paciente assintomático em risco cirúrgico


Paciente de 78 anos, assintomático, hipertenso em uso de enalapril 20mg/dia, sem outras comorbidades, vai ao seu consultório para realização de risco cirúrgico para cirurgia de catarata. Ao realizar o ECG, encontramos a situação abaixo.


Sobre esse ECG podemos afirmar:

A) O ritmo é sinusal

B) A frequência cardíaca é em torno de 60bpm

C) Há ausência de onda P, sugerindo fibrilação atrial

D) O ritmo é nodal em alguns complexos

E) Há desvio de eixo cardíaco para esquerda

RESPOSTA:

Vamos analisar o ECG em questão:

Ritmo: Regular. Há momentos em que existem ondas P (no final do D2 longo) e outros momentos que as ondas P não são evidentes ou variam, não tendo relação com o QRS (dissociação AV). Nos momentos onde não observamos onda P precedendo o QRS, temos o ritmo nodal competindo com o ritmo sinusal (onde temos ondas P precedendo o QRS com intervalo PR fixo).

Frequência cardíaca: entre dois QRS temos um pouco mais que três quadradões. Um pouco mais que 75bpm (em torno de 80bpm)

Condução: Condução atrial variante, QRS e QT com duração normal

Eixo cardíaco: Complexo isoelétrico em avF. Eixo em torno de 0º

Morfologia de P: quando P surge, a morfologia parece normal

Morfologia do QRS: normal

Morfologia do segmento ST: normal

Diagnóstico final: Ritmo nodal em competição com ritmo sinusal

Portanto, resposta correta é o item D: O ritmo é nodal em alguns complexos

Fonte: ecgpedia.org


Comentário por:


BRUNO FERRAZ DE OLIVEIRA GOMES

Médico rotina do Unidade Cardiointensiva do Hospital Barra D'Or

Ecocardiografista do Hospital Barra D'Or

Diretor Administrativo do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ

Intensivista no Hospital Federal Cardoso Fontes

Mestrando em Engenharia Biomédica na COPPE/UFRJ

Título de especialista em cardiologia e terapia intensiva

www.drbrunoferraz.com.br

#ECG

0 visualização