• Bruno Ferraz

Atividade sexual após infarto: quando liberar?


Homem de 45 anos admitido por IAMCSST inferior, sendo submetido à angioplastia primária de coronária direita sem intercorrências. Não haviam lesões residuais. Boa evolução em Killip I. No momento da alta, ele te questiona sobre o retorno das atividades sexuais com sua esposa. Qual a orientação correta?

A) Solicitar um teste ergométrico em 30 dias para liberação

B) Evitar atividade sexual por 30 dias e agendar consulta após esse período para nova avaliação

C) Liberar atividade sexual imediatamente após alta

D) Este paciente deverá realizar cintilografia miocárdica para liberação

E) Aguardar 7 dias e não solicitar nenhum outro exame

Resposta:

O paciente com doença coronariana geralmente têm vida sexual menos ativa seja por receio em complicações cardiovasculares ou até mesmo ansiedade e depressão. A atividade sexual com parceiro(a) habitual é considerada uma atividade física de grau moderado (3-4 METs). A frequência cardíaca raramente excede 130bpm e a pressão arterial sistólica 170mmHg em indivíduos normotensos. A atividade sexual, apesar de aumentar o risco de infarto do miocárdio em homens entre 50 a 60 anos, raramente causa infarto (<1% dos casos). Em estudos de necropsia, menos de 1% dos pacientes tiveram morte súbita durante ato sexual. Nesse caso, o evento foi mais evidente em homens com sexo extraconjugal, na maioria das vezes com uma mulher bem mais jovem e/ou após abuso de álcool e alimentos. As recomendações gerais para os pacientes com doença cardiovascular são:

- Antes de iniciar/retornar atividade sexual, o paciente deve procurar seu médico

- A atividade pode ser liberada para o paciente onde for identificado baixo risco cardiovascular

- Um teste de esforço é aconselhado em pacientes com risco intermediário ou capacidade ao exercício desconhecida.

- Atividade sexual é segura em pacientes que fazem atividades equivalentes (3 a 5 METs) sem sintomas cardiovasculares

- Reabilitação cardíaca e exercício regular podem ser úteis na redução de complicações nesses pacientes

- Pacientes instáveis, descompensados ou sintomáticos devem evitar atividade sexual

No subgrupo de pacientes com doentes com doença arterial coronariana, objetivo da questão, as recomendações são:

- A atividade sexual é permitida em doentes sem angina ou angina leve.

- Atividade sexual é permitida uma semana ou mais após infarto agudo do miocárdico em pacientes sem sintomas cardiológicos durante atividade física leve e moderada.

- Atividade sexual é permitida em pacientes submetidos à revascularização completa. Em caso de angioplastia, está liberada após alguns dias caso não haja complicações no sítio de punção. Em caso de cirurgia de revascularização, está liberada após 6 a 8 semanas para evitar problemas na cicatrização esternal.

- Em pacientes com revascularização incompleta, um teste de esforço ou provocativo deve ser considerado para avaliar isquemia residual.

- Atividade sexual deve ser evitada em pacientes com angina instável ou refratária até o manejo clínico completo.

Portanto, resposta letra E.


#atividadesexual #sexo #infarto