• Bruno Ferraz

Valvuloplastia por balão na estenose mitral


Uma mulher de 65 anos de idade com história prévia de estenose mitral reumática. Ao longo dos últimos meses, ela evoluiu com piora da classe funcional, fibrilação atrial, e hipertensão pulmonar moderada. Qual das seguintes afirmações sobre valvuloplastia percutânea por balão para esta condição é verdadeira?

A) O risco de acidente vascular cerebral durante o procedimento é de 10%

B) Ecocardiografia transtorácica é o estudo de imagem apropriada antes do procedimento para excluir a presença de trombo atrial esquerdo

C) Valvuloplastia percutânea por balão é o tratamento de escolha para pacientes com estenose mitral significativa, sem trombo no átrio esquerdo e escore de Block ≤8

D) Um pequeno defeito do septo atrial pode ser detectado em 25% dos pacientes após o procedimento

E) Aproximadamente 10% dos doentes desenvolvem insuficiência mitral grave como resultado do procedimento

Resposta:

A estenose mitral ainda é frequente em nosso meio por conta da prevalência de doença reumática. Geralmente, acomete mulheres jovens. A valvuloplastia percutânea por balão é o tratamento de escolha para pacientes com estenose mitral que necessitam de intervenção mecânica. A plastia cirúrgica ou troca valvar está reservada para pacientes que não são candidatos para o procedimento percutâneo. Na valvuloplastia percutânea por balão, um cateter é manobrado através do septo interatrial através de um pequeno furo e um dispositivo de balão é avançado através da válvula mitral. Após insuflação do balão, ocorre a separação das comissuras da valva calcificada, reduzindo o gradiente transmitral, aumentando a área valvar e o débito cardíaco. A seleção dos pacientes para esta abordagem é geralmente determinada por características ecocardiográficas, incluindo (1) a mobildade da válvula mitral, (2) espessamento folhetos, (3) a calcificação da válvula, e (4) acometimento do aparelho subvalvar. Em um sistema de pontuação (escore de Block), cada um destes factores é atribuída uma pontuação de 0 a 4, com 0 representando a ausência de cada uma anormalidade e 4 representando a forma mais grave. A pontuação total ≤8 está associada com excelentes resultados após valvoplastia. A ecocardiografia transesofágica é normalmente realizada antes do procedimento para excluir a presença de trombo atrial esquerdo, uma fonte potencial de embolia durante a manipulação do cateter. As principais complicações da valvuloplastia percutânea por balão incluem morte (1% a 2%), tromboembolismo (1% a 2%), perfuração cardíaca (1%), e insuficiência mitral grave requerendo reparação cirúrgica (aproximadamente 2%). Uma pequena comunicação interatrial residual persiste em aproximadamente 5% dos pacientes e raramente é hemodinamicamente significativa.

Portanto, a resposta é o item C: Valvuloplastia percutânea por balão é o tratamento de escolha para pacientes com estenose mitral significativa, sem trombo no átrio esquerdo e escore de Block ≤8

Comentário por:

BRUNO FERRAZ DE OLIVEIRA GOMES

Médico rotina do Unidade Cardiointensiva do Hospital Barra D'Or

Ecocardiografista do Hospital Barra q

Diretor Administrativo do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ

Intensivista no Hospital Federal Cardoso Fontes

Mestrando em Engenharia Biomédica na COPPE/UFRJ

Título de especialista em cardiologia e terapia intensiva

www.drbrunoferraz.com.br

#estenosemitral #valvuloplastia

0 visualização