top of page

Morfina no IAM: atualização diretriz ESC 2023

Atualizado: 25 de fev.


Desde a última diretriz de SCASSST (SBC e ESC) publicados em 2021, o grau de recomendação ao uso de morfina no infarto foi rebaixado à IIb. Isso aconteceu por conta de estudos que demonstraram redução da eficácia dos inibidores P2Y12 e análise post-hoc demonstrando aumento de mortalidade com o uso de morfina. Diante desse cenário, os revisores julgaram prudente reduzir o nível de recomendação ao uso de morfina.


De fato, não temos estudos randomizados avaliando o uso da morfina no infarto em desfechos duros (morte e reinfarto). Encontrar uma associação de morfina com maior mortalidade é plausível visto que o doente que demanda morfina é aquele doente com angina refratária, marcador de alto risco. Com isso, não sabemos de morfina é causa ou marcador de maior mortalidade.



Na diretriz de Síndrome Coronariana Aguda da Sociedade Europeia de Cardiologia de 2023, a morfina foi resgatada e ascendeu à grau de recomendação IIa. Os europeus ficaram loucos? Certamente, esta decisão foi embasada! Surgiram alguns estudos demonstrando que a redução do efeito dos inibidores P2Y12 se dava pelo retardo do esvaziamento gástrico promovido pela morfina. Então, foi testado o uso da morfina em conjunto com a metoclopramida e foi observado restauração quase completa dos níveis séricos dos inibidores P2Y12 (clopidogrel, ticagrelor e prasugrel). Por conta disso, a recomendação atual é utilizar a morfina (quando necessário, obviamente) em conjunto com a metoclopramida (desconheço se outras medicações foram testadas). Em pacientes alérgicos ou intolerantes à esta medicação, é plausível utilizar outros procinéticos.



Como usar na Síndrome Coronariana Aguda?

MORFINA

Quando usar?

Na SCA, refratária ao controle álgico com nitratos

Apresentação

Ampolas de 2ml (1mg/ml) e 1ml (10mg/ml) - muita atenção à ampola disponível no seu serviço!

Posologia em adultos

2-4mg, inicialmente. Pode repetir 2mg a cada 5-15 minutos.

​Reações adversas

Bradicardia, hipotensão, flushing facial, diaforese, rash cutâneo, constipação, diarréia, vômito, náusea, ataxia, confusão mental, alucinações, astenia entre outros

Contraindicações

Risco de depressão respiratória, asma brônquica, hipotensão arterial e choque


Quer aprender a lidar com as Emergências Cardiológicas em seu plantão com TOTAL segurança? Montamos um curso totalmente DIRETO AO PONTO, sem enrolação, que irá te dar todo suporte para atender as Emergências Cardiológicas. Além das aulas diretas, você conta com casos clínicos comentados, que incluem as prescrições dos doentes, exercícios e um grupo de WhatsApp para discutir seus casos. Imperdível! Para conhecer, clique aqui.


Bibliografia:

- 2023 ESC Guidelines for the management of acute coronary syndromes: Developed by the task force on the management of acute coronary syndromes of the European Society of Cardiology (ESC), European Heart Journal, 2023;, ehad191, https://doi.org/10.1093/eurheartj/ehad191

- NicolauJC, Feitosa FilhoGS, PetrizJL, FurtadoRHM, PrécomaDB, LemkeW, LopesRD, et al. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST – 2021. Arq. Bras. Cardiol. 2021;117(1):181-264.


Sobre o autor:


3.515 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page