• Bruno Ferraz

Insuficiência cardíaca: dicas para o diagnóstico


Um paciente de 56 anos dá entrada no setor de emergência com 5 dias de evolução de dispnéia com progressão para dispneia em repouso, ortopnéia e tosse não produtiva. Nega febre e dor torácica. Há o relato de hipertensão arterial sistêmica em uso de captopril 25 mg/dia. Ao exame, FR de 34 irpm, FC=110bpm, PA=190 x 110 mmHg. Ausculta cardíaca apresenta sopro sistólico em foco aórtico (2+/6+). Ausculta pulmonar com estertores bolhosos bilateralmente até o ápice, com enchimento capilar de 2 segundos. Sobre o caso assinale a alternativa incorreta:

A. São ferramentas para o diagnóstico : Uma anamnese e exame físico bem executados além da aplicação de critérios diagnósticos como os de Framingham e Boston B. Com resultado negativo do peptídeo natriurético cerebral (BNP) podemos excluir o diagnóstico de insuficiência cardíaca. C. Não há indicação de medidas seriadas de BNP D. Dispnéia paroxística Noturna, Turgência jugular e edema de membros inferiores ,se presentes ,são critérios maiores de Framingham para o diagnóstico E.A classificação hemodinâmica de Stevenson é uma das medidas úteis na sua avaliação inicial

RESPOSTA:

A realização de boa anamnese e exame físico com rastreamento dos fatores de risco e descompensação é fundamental para o diagnóstico da síndrome clínica de insuficiência cardíaca (IC). O uso de escores, como o de Framingham e Boston, é uma ferramenta que aumenta sua acurácia. O peptídeo natriurético cerebral (BNP) se encontra aumentado em caso de stress mecânico das fibras miocárdicas como ocorre na IC. É um marcador com alto valor preditivo negativo, portanto, não estando alterado, exclui a causa cardíaca de dispneia conforme recomendado na ultima diretriz europeia de IC (ESC 2016), que recomenda também sua solicitação na admissão sempre que disponível. Não há indicação de sua solicitação seriada, não havendo benefício clínico e incorrendo em gastos desnecessários. Os critérios maiores de Framingham para o diagnóstico de IC são Dispnéia paroxística noturna, turgência jugular, crepitações pulmonares, terceira bulha, edema agudo de pulmão, refluxo hepatojugular e perda de peso de mais de 4,5 Kg em 5 dias em resposta ao tratamento. A classificação hemodinâmica de Stevenson permite classificar o paciente quanto a volemia (seco ou congesto) e a perfusão (quente ou frio) e assim racionalizar as medidas para a sua compensação sendo fundamentais neste caso. Melhor resposta: letra D



COMENTÁRIO POR:

GIOVANNI POSSAMAI DUTRA Residência em Cardiologia - Hospital Barra D'Or Residência em Clínica Médica - Hospital Federal Cardoso Fontes


#insuficienciacardiaca #BNP #Boston #Framingham #Stevenson

727 visualizações