• Bruno Ferraz

Hipertensão em jovem com potássio baixo: o que suspeitar?


Paciente de 32 anos, sexo masculino, encaminhado ao consultório por "pressão alta". Sem outros sintomas associados. Nega uso de medicamentos. PA do consultório 146x90 (braço direito) e 144x94 (braço esquerdo). Trouxe um exame de sangue realizado recentemente que evidenciou hipocalemia. Qual exame você solicitaria para esse paciente?

A) Nenhum exame. Iniciaria mudanças de estilo de vida e reavaliaria em 3 meses B) Tomografia computadorizada de abdome (investigação de adrenais) C) Dosagem de catecolaminas séricas D) Urina de 24h (potássio urinário e 17-cetoesteróides urinários) E) relação aldosterona/renina sérica

RESPOSTA: O hiperaldosteronismo primário está presente em mais de 10% dos pacientes hipertensos. É mais prevalente em hipertensos de difícil controle. Apenas uma minoria vai apresentar a hipocalemia (geralmente mais tardia). O rastreio deve ser realizado em hipertensos com hipocalemia espontânea ou provocadas por diuréticos, hipertensos resistentes e hipertensos com tumor abdominal. A relação aldosterona/renina plasmática ≥ 30 com aldosterona > 15 sugerem o diagnóstico. A confirmação é feita com dosagem de aldosterona após aporte de sódio. Após confirmação, prosseguir com exame de imagem.

Com isso, paciente jovem que se apresenta com hipertensão arterial deve levantar a suspeita de hipertensão secundária. No paciente da questão, há hipocalemia que traz 3 possibilidades diagnósticas:

(1) Uso de diuréticos

(2) Hiperaldosteronismo primário

(3) Hiperaldosteronismo secundário

Em ambas situações de hiperaldosteronismo, a aldosterona estará elevada (por isso é hiperaldosteronismo ;P) mas no caso secundário (geralmente por estenose de artéria renal) a renina estará elevada pelo hipofluxo no rim estenótico (ele entende que o fluxo renal está baixo e libera mais renina para fazer a vasoconstrição). Com isso, a relação aldosterona/renina sérica fazem o diagnóstico!

Quanto às outras opções da questão:

TC de abdome: é útil no diagnóstico de feocromocitoma. O paciente da questão não apresenta os sintomas clássicos de feo. No caso do hiperaldosteronismo deve ser realizado apenas após confirmação diagnóstica.

Dosagem de catecolaminas: também utilizada no diagnóstico de feocromocitoma

Dosagem de 17-cetosteróide urinário: usado no diagnóstico de hiperplasia adrenal congênita.

Portanto, a resposta é o item E!

Relação aldosterona/renina sérica


Comentário por:


BRUNO FERRAZ DE OLIVEIRA GOMES

Médico rotina do Unidade Cardiointensiva do Hospital Barra D'Or

Ecocardiografista do Hospital Barra D'Or

Diretor Administrativo do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ

Intensivista no Hospital Federal Cardoso Fontes

Mestrando em Engenharia Biomédica na COPPE/UFRJ

Título de especialista em cardiologia e terapia intensiva

www.drbrunoferraz.com.br

#hipertensãosecundária

0 visualização