• Bruno Ferraz

Como classificar a dor torácica


Para cada um dos doentes abaixo, qual é a causa da dor torácica mais provável?

Paciente 1: Homem de 37 anos, febre e mialgia há 10 dias, dor torácica à esquerda há 12 horas com piora com movimento e respiração

Paciente 2: Homem de 45 anos, dor epigástrica em queimação que piora às manhãs

Paciente 3: Mulher de 54 anos, tabagista, com falta de ar, sudorese e dor torácica central há 1 hora

Paciente 4: Homem de 60 anos, diabético, dor após esforço físico na região da mandíbula e garganta, com duração de 5 minutos e aliviada com uso de nitratos

Paciente 5: Homem de 60 anos, hipertenso, dor torácica súbita intensa com irradiação para dorso

A) Paciente 1: Pneumonia; Paciente 2: Refluxo gastroesofageano; Paciente 3: Infarto do miocárdio; Paciente 4: Pneumotórax; Paciente 5: Dissecção aórtica

B) Paciente 1: Pericardite; Paciente 2: Embolia pulmonar; Paciente 3: Dissecção aórtica; Paciente 4: Angina; Paciente 5: Pneumotórax

C) Paciente 1: Pericardite; Paciente 2: Costocondrite; Paciente 3: Embolia Pulmonar; Paciente 4: Refluxo gastroesofageano; Paciente 5: Pneumotórax

D) Paciente 1: Pericardite; Paciente 2: Refluxo gastroesofageano; Paciente 3: Infarto do miocárdio; Paciente 4: Angina; Paciente 5: Dissecção aórtica

E) Paciente 1: Pneumonia; Paciente 2: Refluxo gastroesofageano; Paciente 3: Embolia pulmonar; Paciente 4: Costocondrite; Paciente 5: Dissecção aórtica

Resposta:

A dor torácica é o sintoma que mais comumente será manifestado em pacientes cardiopatas. No entanto, é um sintoma inespecífico e pode resultar de uma série de doenças de diferentes gravidades. Uma boa história clínica com adequada caracterização da dor, fatores de risco e outros sintomas associados auxilia na diferenciação das possíveis causas. As caracterizações podem ser vistas na figura.

Nos pacientes da questão, o paciente 1 apresenta quadro arrastado com provável quadro infeccioso prévio e dor de característica pleurítica. O mais provável que essa dor seja de origem inflamatória como na pericardite. A pneumonia acaba sendo menos provável pelo curso mais arrastado do quadro.

O paciente 2 apresenta dor epigástrica em queimação que é pior pela manhã (maior acidez estomacal) que geralmente melhora com alimentação ou leite, quadro típico de refluxo gastroesofageano.

O paciente 3 apresenta um quadro súbito com dor torácica e sudorese, associada a fatores de risco para doença coronariana, sem melhora do quadro. Sugere fortemente infarto agudo do miocárdio.

O paciente 4 tem fatores de risco para doença coronariana, apresenta quadro de dor relacionada aos esforços com melhora após uso de nitrato, indicando quadro de angina.

Por fim, o paciente 5 apresenta quadro súbito, de forte intensidade, constante e irradiação para dorso. A principal suspeita seria de dissecção aórtica

Portanto, a correlação correta é do item D


Postado por:


BRUNO FERRAZ DE OLIVEIRA GOMES

Médico rotina do Unidade Cardiointensiva do Hospital Barra D'Or

Ecocardiografista do Hospital Barra D'Or

Diretor Administrativo do Departamento de Doença Coronária da SOCERJ

Intensivista no Hospital Federal Cardoso Fontes

Mestrando em Engenharia Biomédica na COPPE/UFRJ

Título de especialista em cardiologia e terapia intensiva

www.drbrunoferraz.com.br

#dortorácica #classificação #pleuritica #pericardite #emboliapulmonar #pneumotorax

0 visualização