• Bruno Ferraz

Estratificação de risco em DAC


Paciente de 49 anos procura seu consultório para um check-up. Está assintomático. Pratica exercícios regularmente (corre 10km 3 vezes por semana). Nega qualquer doença, uso regular de medicamentos ou tabagismo. Seu pai faleceu de infarto aos 88 anos. Trouxe alguns exames prontos: ECG em repouso normal, glicemia de jejum normal, colesterol total 257mg/dL, HDL 77mg/dL, triglicerídeos 98mg/dL, LDL 154mg/dL, função renal e hemograma normais. Informa que realiza check-up anualmente e, no ano anterior, fez uma angiotomografia de coronárias mas não teve tempo de levar ao médico. O laudo informa calcificação moderada em coronária direita sem lesão obstrutiva grave com escore de cálcio de 400. Qual seria sua conduta com este paciente?

A) Encaminharia à hemodinâmica para angioplastia de coronária direita

B) Solicitaria um teste de esforço para definir carga isquêmica

C) Informaria ao doente para não se preocupar com este exame e orientar retorno em um ano sem medicações prescritas

D) Iniciaria AAS e estatina para prevenção primária sem nenhum outro exame

E) Iniciaria apenas AAS e solicitaria nova angiotomografia para definir evolução de doença

Resposta:

Trata-se de um doente sem histórico de comorbidades e que está assintomático. Após análise laboratorial, observamos que o paciente encontra-se em valores do perfil lipídico limítrofes para seu perfil de risco inicial (escore de risco de Framingham: 4,1% de desenvolver doença coronariana em 10 anos). Nesse momento, orientação dietética seria uma conduta adequada assim como o estímulo à manutenção da atividade física. Contudo, a angiotomografia de coronária detectou um escore de cálcio elevado. Esta informação reclassifica o risco coronariano deste paciente para cima, mudando assim o alvo de controle lipídico, indicando o início de estatina. Além disso, como ele já tem doença coronariana estabelecida, está indicado o AAS com o intuito de prevenção de eventos coronarianos. Como o paciente está assintomático e tolera grandes esforços em suas corridas, não há evidência clínica de isquemia, não sendo necessário teste de esforço ou até mesmo angioplastia. Não está indicado a repetição da angiotomografia de rotina para acompanhar a evolução do escore de cálcio. Na verdade, esse paciente não necessita nenhum exame adicional. Portanto, a resposta correta é letra D.

#angiotomografia #coronárias #escorederisco